orcamento@artservengenharia.com.br

Av. Casa Verde, 2190 - Casa Verde | São Paulo

+55 11 3858-9569

Blog

Fique por dentro das notícias, curiosidades e novidades.

Alumínio ou aço: qual material escolher na hora de optar por uma cobertura?

Alumínio ou aço: qual material escolher na hora de optar por uma cobertura?

Na hora de optar por um sistema de cobertura em aço ou alumínio, é preciso pensar em dois pontos principais: o ambiente no qual esse sistema será instalado e o desempenho que se espera do material. O alumínio, por exemplo, tem boa resistência à corrosão e, em ambientes agressivos, como zonas marítimas e atmosferas industriais, tem vida útil superior ao aço galvanizado. Já o aço não é indicado para ambientes agressivos, mas fora deles pode ser usado tranquilamente, com bom custo-benefício:  seu valor é, em média, 30% menor do que o do alumínio.

O desempenho/durabilidade é outro ponto importante: enquanto o alumínio pode ser usado por 30, 40 anos sem apresentar problemas, o aço tem uma vida útil de 20 a 25 anos. Vale também destacar que o primeiro é mais leve que o segundo, particularidade que precisa ser levada em consideração em projetos que pretendem evitar sobrecarga na estrutura. O alumínio tem ainda boa resistência mecânica, assim como o aço. Essa característica indica a forma de deslocamento das pessoas sobre o telhado e resistência ao vento, por exemplo.

 

Escolha uma empresa de confiança

A ArtServ Engenharia é uma empresa especializada em sistemas de cobertura. Com 20 anos de história, possui larga experiência no atendimento ao cliente e sabe que a falta de informação leva muitos deles a serem lesados. É importante que o cliente tenha a correta orientação e saiba o que está comprando. A norma ABNT NBR 14514, para telhas de aço revestido de secção trapezoidal, determina, por exemplo, que a quantidade de galvalume, revestimento usado para proteger o aço da corrosão, deve ser de 150 g/m². No entanto, não é incomum a ArtServ atender clientes que compraram material abaixo da especificação – e consequentemente abaixo do valor de mercado – e tiveram problemas em 3 anos, quando o Código Civil determina que a garantia mínima para solidez e estabilidade do material são 5 anos.

Sem o revestimento adequado a chapa não vai resistir à chuva, ao sol e à umidade por muito tempo. O cliente, por sua vez, vai enfrentar problemas antes do período previsto e com isso tende a duvidar da qualidade do material. Em casos em que a chapa começa a enferrujar, por exemplo, o processo de corrosão é rápido e podem surgir buracos na telha. Dependendo do nível em que a cobertura se encontra, não é mais possível fazer a manutenção e toda a cobertura precisa ser trocada, fazendo com que o cliente assuma um gasto não previsto e que acaba virando uma grande dor de cabeça. Eficiência, confiança e seriedade, portanto, são qualidades que um cliente não deve abrir mão na hora de optar por uma empresa de sistemas de cobertura.

 

  Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2019